Por que manter a virgindade é importante?

Compreenda melhor o que há entorno desse tabu de ser homem e ser virgem

O tema de hoje, mesmo que vivamos supostamente em um mundo em evolução, ainda é um tabu. Com esse avanço na liberdade sexual e com as mudanças no estilo de vida dos adolescentes, ocorridas nas últimas décadas, os homens cada vez mais cedo são levados a iniciar sua vida sexual.

Além disso, com tantos outros tabus relacionados à questão, tais como homossexualidade e preconceitos, o homem é forçado e pressionado – muitas vezes sem querer ou estar preparado – a ter relações. Seja para pertencer ao grupo, para afirmar sua masculinidade, ou por pressão dos pais e colegas, ser um menino adolescente e ser virgem não é aceitável perante nossa atual sociedade. Porém, apesar da ingenuidade ou falta de conhecimento, se manter invicto é sim uma boa escolha. Vamos te explicar o por quê.

Antes de tudo, como é a virgindade masculina?

Se, para as mulheres, romper o hímen é perder a virgindade, para nós homens é o que, então? Penetrar a vagina? E se o rapaz receber sexo oral, ele deixa de ser virgem? E se a relação for homossexual, quando quem perde o quê?

Complexo isso né? Mas agora vamos facilitar! Apesar de existirem controvérsias sobre o assunto, é um consenso que perder a virgindade é ter uma relação sexual. No entanto, como há várias formas de se obter a relação sexual, também há diferentes tipos de virgindade: de boca, de vagina, de ânus…

A ideia principal dessa relação é, em poucas palavras, o “ato de juntar os órgãos sexuais”, originalmente para o gameta masculino encontrar o feminino. Contudo, nem sempre a função é reprodutiva. Então, para fecundar o óvulo ou não, a relação sexual humana é dividida em preliminares e o ato sexual propriamente dito.

Na iniciação do ato, o sexo já está acontecendo. E ele pode ser compreendido de várias formas, com ou sem penetração. Isto é, sexo vaginal, masturbação a dois, anal, oral, etc. Concluindo este ponto: sexo não penetrativo não deixa de ser sexo. E todos precisam de proteção, inclusive. Ou seja, virgindade masculina existe, mas ela não está apenas ligada ao ato de penetração vaginal.

Por que se manter virgem?

Há várias formas de responder essa pergunta, mas nós hoje vãos buscar uma vertente um pouco diferente, a qual até já retratamos aqui no Portal. Quando perder a virgindade? A questão em si não é ser virgem ou não ser, é saber a hora de passar de uma fase para outra.

Todavia, para isso acontecer, devemos estar prontos e preparados. Não devemos perder a virgindade por pressão, mera curiosidade, ou para não virar chacota entre os amigos. Devemos avançar por que queremos, temos alguém especial em mente e nos sentimos prontas para lidar com as responsabilidades que essa nova etapa nos fornecerá.

Por isso, o ideal é se preparar antes do ato acontecer – nosso outro texto citado a cima poderá ajudar melhor nesse ponto – afinal, é um passo importante e devemos ter um momento especial para as lembranças não serem traumatizantes.

Se, devido a religião ou escolha própria, você decidir se manter virgem por um grande tempo, não deixe a opinião alheia influenciar na sua decisão e filosofia de vida. Por outro lado, se você é virgem e não se sente preparado para iniciar, não se submeta a pressão ou meta os pés pelas mãos devido aos pensamento de terceiros, só faça aquilo que tiver vontade, quando tiver vontade e se sentir pronto para arcar com as consequências.

E por último, fique sabendo: a inépcia sentida por um virgem, pelo fato de nunca ter transado, só existe na cabeça dele. Qualquer “ex-virgem” sabe bem que quase nada, na própria vida, muda depois do primeiro contato sexual. O caráter transformador, quase mágico, da perda da virgindade está justamente no fato do cara perceber que o leão era um gato. Que sexo não é a complexidade que ele pensava e que isso não altera em nada seu dia-a-dia.