Pirando o cabeção: quais os problemas de saúde provocados pelo stress de forma silenciosa?

Entenda o que é esse problema, suas causas e sintomas

Antes de tudo, você sabe o que realmente é o stress? Não há ainda uma definição correta nos compêndios de patologia médica. É o dicionário Aurélio que nos diz que o estresse – em bom português – é “o conjunto de reações do organismo a agressões de ordem física, psíquica, infecciosa, e outras capazes de perturbar a homeostase” (equilíbrio). Hoje já foi intitulada como a “doença do século”, ou melhor, “a doença do terceiro milênio”.

Segundo o médico canadense Hans Selye, que elaborou a moderna conceituação do stress, ele corresponde a uma relação entre o individuo e o meio, trata-se, então, de uma agressão e reação. O estresse fisiológico é uma adaptação normal; quando a resposta é patológica, registra-se uma disfunção, que leva a distúrbios transitórios ou a doenças graves, mas, no mínimo agrava as já existentes e pode desencadear aquelas para as quais a pessoa é geneticamente predisposta. Então se torna um caso médico. Nessas circunstâncias desenvolve-se a famosa síndrome de adaptação, ou a luta-e-fuga (fight or flight), na expressão do próprio Selye.

CAUSAS

As situações e as pressões que causam estresse são conhecidas como fatores de estresse. Normalmente, pensamos nele como algo negativo, por exemplo, uma agenda de trabalho desgastante ou um relacionamento complicado.

No entanto, qualquer coisa que coloca exigências elevadas sobre você pode ser estressante. Uma pessoa pode sentir estresse em alguns momentos importantes de sua vida, motivada, possivelmente, por ansiedade, apreensão e preocupação. Isso inclui eventos positivos como casar, comprar uma casa, ir para a faculdade, ou ser promovido.

Produtos com cafeína, cocaína, álcool e tabaco também podem provocar ou piorar os sintomas de estresse e ansiedade.

Quando essas sensações ocorrem com frequência, a pessoa pode ter um distúrbio de ansiedade. Outros problemas em que o estresse pode estar presente:

– Transtorno obsessivo compulsivo (TOC)

– Síndrome do pânico

– Transtorno por estresse pós-traumático (TEPT).

SINTOMAS DO ESTRESSE

Sistema muscular

Quando o corpo está estressado, os músculos ficam tensos. A tensão muscular é quase uma reação reflexa ao estresse – é o modo pelo qual o corpo se protege contra lesões e dor.

Sistema Cardiovascular

O coração e os vasos sanguíneos compreendem os dois elementos do sistema cardiovascular que trabalham em conjunto para fornecer alimento e oxigênio para os órgãos do corpo. A atividade destes dois elementos também é coordenada na resposta do organismo ao estresse.

O estresse agudo – o estresse que é momentâneo ou de curto prazo, tais como o cumprimento dos prazos, estar preso no trânsito ou frear de repente para evitar um acidente – provoca um aumento na frequência cardíaca e produz contrações mais fortes do músculo cardíaco, devido aos hormônios do estresse – a adrenalina, a noradrenalina e o cortisol – atuando como mensageiros para estes efeitos. Além disso, os vasos sanguíneos que dirigem o sangue para os músculos grandes e dilatam o coração, aumentam a quantidade de sangue bombeado para estas partes do corpo e eleva a pressão sanguínea. Isso também é conhecido como resposta de luta ou fuga. Uma vez que o episódio de estresse agudo passou, o corpo retorna ao seu estado normal.

Estresse crônico – ou tensão constante experimentada durante um período prolongado de tempo, pode contribuir para problemas de longo prazo para o coração e para os vasos sanguíneos. O aumento consistente e contínuo da frequência cardíaca e os níveis elevados dos hormônios do estresse e de pressão arterial podem fazer o corpo pagar por isso, aumentando o risco de hipertensão, ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

Sistema nervoso

O sistema nervoso tem várias divisões: a divisão central que envolve o cérebro e a medula espinal e a divisão periférica constituída pelos sistemas nervosos autônomo e somático. O sistema nervoso autônomo (ANS) tem um papel direto na resposta ao estresse físico e é dividido no sistema nervoso simpático (SNS), e o sistema nervoso parassimpático (SNP).

Quando o corpo está estressado, o SNS gera o que é conhecido como resposta “luta ou fuga”. O corpo muda todos os seus recursos de energia para lutar contra uma ameaça à vida, ou fugir de um inimigo. O SNS sinaliza às glândulas adrenais para liberarem hormônios chamados de adrenalina e cortisol. Esses hormônios fazem o coração bater mais rápido, a respiração aumentar, os vasos sanguíneos nas pernas e braços se dilatarem, o sistema digestivo muda e os níveis de glicose (energia do açúcar) no sangue aumentam para lidar com a emergência. A ativação contínua que o sistema nervoso faz para os outros sistemas do corpo torna-se problemático em casos do estresse crônico.

Além desses, ele ainda pode afetar o sistema respiratório, endócrino, glândulas supra-renais, fígado, gastrointestinal, intestino e até o desejo sexual. Dessa forma, sintomas como:

Físicos:

Problemas cardíacos e gastrointestinais;

Facilidade em ficar doente;

Alergias, asmas, insônia;

Tensão muscular, mãos frias e suadas;

Dor de cabeça, enxaqueca, problemas de pele;

Queda de cabelo.

Psicológicos:

Ansiedade, angústia, nervosismo, preocupação em excesso;

Irritação, medo, impaciência, tontura;

Problemas de concentração e de memória;

Desorganização, dificuldade em tomar decisões;

Cometer mais erros que o habitual, esquecimentos;

Sensação de perda do controle.

Caso sejam observados alguns deles, será preciso procurar um médico clínico geral ou um psicólogo, para que ele possa indicar o tratamento adequado, dessa forma, identificando as causas do problema e te indicando para o alívio e controle.