Frio e crianças: como evitar que seu filho fique doente no frio?

No frio, o cuidado com a saúde das crianças dobra

Quando as temperaturas começam a baixar, chegam os momentos de passar mais tempo embaixo do cobertor com seu filho, de experimentar novas receitas de sopa e chocolate quente, de assistir a filmes aninhados em um edredom e, se possível, de passar horas em frente à lareira. Infelizmente, o inverno também é tempo de reclamações de nariz obstruído, febre e dores pelo corpo.

Amamente, no mínimo, até os seis meses

Até os seis meses o aleitamento materno deve ser a alimentação exclusiva. Garantir que o leite da mãe seja a única fonte de alimentação do bebê até essa idade é uma das melhores maneiras de fortalecer o sistema imunológico da criança. Diversas pesquisas indicam que os bebês que mamam crescem mais saudáveis e têm menor taxa de complicações por infecções respiratórias e digestivas. A recomendação é que o aleitamento seja feito até os dois anos.

Ensine seu filho a lavar as mãos com frequência

Higienizar as mãos não é importante somente antes das refeições. O hábito de lavá-las garante a distância de muitos causadores de doenças. Sempre que chegar em casa, antes de abraçar seu filho, passe no lavabo e lave as mãos. A higienização deve ser completa: esfregue todos os cantos das mãos, dorso e espaço entre os dedos e limpe as unhas com água e sabão. Utilizar álcool em gel completa a limpeza, mas não substitui a lavagem.

Faça com que a criança tenha uma alimentação equilibrada

Prepare um cardápio colorido e diversificado assim que a criança completar os seis meses – quando se inicia a alimentação complementar. Priorize os alimentos frescos, ricos em vitaminas, nutrientes e antioxidantes, que são substâncias benéficas para melhorar as defesas do seu filho. O ácido fólico é encontrado em verduras e legumes verde-escuros, como espinafre, brócolis e couve. As vitaminas do complexo B estão disponíveis nos cereais e pães integrais. A vitamina C está disponível nas frutas cítricas, como o kiwi e morango. Já a vitamina D é abundante nos ovos e peixes.

Vírus e bactérias gostam de ambientes secos, por isso é importante manter a criança hidratada. Ofereça água mesmo quando o pequeno não manifestar sede. A água precisa ser filtrada ou clorada e deve ser dada nos intervalos das refeições.

Conserve a casa limpa e arejada

O tempo seco prolifera a poeira dentro de casa, o que é um prato cheio para as doenças alérgicas, como a rinite, aparecerem. Mantenha a sua casa livre da sujeira e sempre bem arejada. Tenha o hábito de deixar as janelas abertas para que o ar circule livremente e dificulte a proliferação de vírus e bactérias. Utilize um pano molhado ou o aspirador de pó para limpar a casa, aposente a vassoura, tire o pó dos móveis com um pano úmido e, de preferência, não deixe a criança no mesmo ambiente onde a limpeza está sendo feita.

Leve a criança para tomar sol

Os raios solares estimulam a síntese da vitamina D no corpo, importante para a imunidade. Dez a 15 minutos diários são suficientes. Leve o seu filho para passear nos horários certos, antes das 11h e depois das 15h. Não se esqueça de passar o filtro de proteção solar, mesmo em dias nublados. Lembre-se de que o filtro só pode ser usado após os seis meses de idade: crianças menores não conseguem metabolizar e excretar as substâncias químicas dos produtos.

Não use remédios sem orientação médica

Dar o remédio que sobrou da última cartela quando surgir um sintoma parecido ao anterior é perigoso e pode colocar a saúde da criança em risco. Não use os medicamentos sem a orientação do pediatra. Antibióticos, por exemplo, podem mascarar doenças mais graves ou aumentar a resistência das bactérias, o que dificulta o combate a elas no próximo tratamento.

Oriente a criança sobre a “etiqueta da tosse e resfriados”

Adotar hábitos corretos na hora de tossir e espirrar ajuda a diminuir a disseminação de germes e a transmissão de doenças respiratórias. Oriente seu filho que é importante cobrir a boca e o nariz com o antebraço ou um lenço durante a tosse ou espirro; ensine que o lenço deve ser descartado no lixo, de preferência dobrado; fale que se deve evitar tocar nos olhos, nariz e boca quando as mãos não estiverem limpas e mostre a importância da utilização do álcool gel para evitar a transmissão de doenças.

 

O frio, associado às mudanças bruscas de temperatura, à baixa umidade do ar e ao fato de passarmos várias horas em ambientes fechados, é um prato cheio para que vírus e bactérias se instalem nos organismos das crianças. Para que o seu filho não sofra com os inconvenientes da estação, adote medidas preventivas. Cuidados simples podem ajudar para que a criança fique menos vulnerável às doenças mais comuns do inverno, como gripes e resfriados.