Dividir para somar

Serviços de economia colaborativa só tendem a crescer no país

Não é nenhum segredo que a economia colaborativa é uma tendência que veio para ficar. Afinal, o conceito ajuda não só os empreendedores e consumidores a economizarem, mas também a ganharem dinheiro por meio do compartilhamento de serviços e trocas de experiências. De acordo com os dados da consultoria britânica PWC, este tipo de plataforma econômica movimenta cerca de US$ 15 bilhões em todo o mundo por ano e a estimativa é que até 2025 esse número cresça para US$ 335 bilhões.

No Brasil, o conceito também ocupa uma posição de destaque. O país é o primeiro da América Latina quando se trata de inciativas colaborativas. Neste cenário está o Cais Coworking, em Toledo, no Oeste do Paraná. O espaço difundiu a ideia ao unir desde pequenos e iniciantes empreendedores até empresas já renomadas na região em um só lugar.

Para o sócio proprietário do Cais Cowoking Toledo, Douglas Buettner, os benefícios do modelo são inúmeros. Entretanto, há duas frentes principais que auxiliam quem traz seu negócio a um ambiente colaborativo: “A rede de contato estabelecida pelos coworkers é o fator primordial. Parcerias e negócios surgem organicamente no dia a dia. Isso é fundamental para quem trabalha com prestação de serviços, pois alavanca o empreendimento por meio de indicações, cooperação e até compra e venda de serviços”, explica.

Atracar em um espaço compartilhado também oferece um custo benefício maior para os empresários. “O nosso objetivo é auxiliar o profissional para que ele foque apenas no seu negócio. Para isso, ele paga um preço relativamente baixo para receber os serviços de recepção, aluguel, limpeza, segurança monitorada, ambientes comuns mobiliados e prontos para a utilização, além de vantagens que, em um ambiente comercial comum, seriam extremamente onerosos e inflados”, afirma Douglas.

O sócio proprietário ressalta a importância de promover o encontro de negócios e pessoas. “Batemos muito forte em cima dessa tecla. Estamos sempre atentos a novas ideias e parcerias que possam surgir tanto dentro quanto fora da nossa comunidade”, comenta. Para isso, a gestão proporciona momentos que unem descontração e troca de ideias. São feitos cafés coletivos, happy hour, WorkChopps (workshop com chopp), cafés da manhã e encontros com empresários.

Em um destes encontros, as arquitetas Ana Gabriela Frasson e Mônica Backes, evidenciaram que a união é melhor que a competição. “Está sendo uma experiência enriquecedora. Começamos a fazer projetos em conjunto e depois decidimos ficar na mesma sala, já que nos damos bem tanto pessoalmente quanto profissionalmente”, declara Ana. Mas apesar de compartilhar ideias e opiniões, cada uma tem sua identidade arquitetônica. “Um cliente já falou que consegue perceber a ideia de cada uma e que, o conjunto das duas, dá uma característica muito boa”.

E se você ainda não teve nenhuma experiência com a economia colaborativa, não deixe de participar desse movimento. É sucesso na certa!

Cais Coworking Toledo

 O Cais Coworking está a um quase um ano e meio em Toledo, no oeste do Paraná. O escritório compartilhado foi o primeiro da cidade e fica em um ambiente de 370 metros quadrados no prédio da Junsoft Sistemas, localizado na Avenida Celeste Muraro, 148, no Jardim Tocantins. São 13 estúdios privados com capacidade para equipes de até cinco pessoas, ambiente específico para treinamentos, workshops, cursos e palestras, duas salas de reuniões ou atendimento para até 12 pessoas, cozinha compartilhada e espaço coletivo com 12 estações de trabalho.

Na Internet

 Site: http://toledo.caiscoworking.com.br/

Facebook: https://www.facebook.com/caistoledo/

Instagram: @caiscoworkingtoledo