Como livrar seu cachorro da sarna?

Conheça os três tipos dessa doença e os tratamentos específicos

A sarna canina é uma doença inflamatória causada por ácaros e que atinge a pele dos cachorros. Os ácaros estão por toda parte, na pele dos humanos e também na pele dos cães. A questão da sarna canina é o tipo do ácaro.

Muita gente acha que só cachorro de rua que tem sarna, mas isso não é verdade. Os ácaros que provocam a sarna estão em toda parte, em cobertores, sofás, camas e até em brinquedos. Todo cachorro pode adquirir a sarna, por isso é tão importante saber sobre isso e conseguir identificar o problema desde cedo.

Alguns ácaros causadores de sarna são habitantes normais da pele e folículos dos pelos do seu cachorro enquanto outros não. Quando o número de ácaros que vivem nos folículos dos pelos e na pele do cachorro aumenta, isso pode levar a infecções leves ou severas na pele, problemas autoimunes e perda de pelo. A aparência pode ser de perda generalizada de pelos, vermelhidão, escamação e feridas.

Os ácaros podem ser transferidos de um cão para outro, mas se o receptor for saudável, eles só vão ser adicionados à população pré-existente de ácaros sem causar nenhum transtorno. Por isso geralmente não há necessidade de isolar o cão infectado – embora em situações raras, o contágio seja possível.

Os três tipos de sarna

A demodécica (sarna negra) costuma causar perda de pelo, alopecia, crostas, feridas e secreções com cheiro forte. Infecções secundárias por bactérias podem fazer com que este tipo de sarna se torne desconfortável, com muita coceira. Conquanto existam diferentes teorias sobre a questão da transmissão entre cachorros, é comumente aceito que a sarna demodécica não é transmissível a gatos ou humanos.

Já a sarna sarcóptica (ou escabiose) causa coceira extrema criando agitação e fazendo com que o animal se coce freneticamente. Esses sintomas aparecem uma semana depois da exposição e podem resultar em perda de pelo, pele avermelhada, feridas e crostas. As áreas mais afetadas são as orelhas, cotovelos, rosto e pernas, mas a sarna pode se espalhar rapidamente para o corpo todo. Ao contrário da demodécica, a sarna sarcóptica é transmissível aos humanos e causa erupções cutâneas semelhantes a picadas de mosquito.

Outro tipo de sarna é a otodécica (sarna de ouvido) assim chamada, obviamente, porque afeta essa parte do corpo do animalzinho. Ela causa muita coceira na orelha e o problema pode escalar pelo fato do cachorro se coçar demais; além disso, ela também causa acúmulo de cera dentro do ouvido o que pode levar a uma otite. Esse tipo de sarna é transmissível entre cães e gatos, mas não humanos.

Diagnóstico e tratamento

Sarna Sarcóptica

O diagnóstico é realizado por um veterinário que irá recolher uma amostra da ferida e da pele do cachorro. Um exame laboratorial determinará se é sarna. Normalmente o medicamento é tópico (aplica-se na região) e com banhos especiais de tratamento. Somente casos graves são tratáveis com medicação oral ou injetável. Mantenha o animal doente longe de outros animais e lave bem a caminha e os pertences dele pra evitar que ele contraia a doença novamente.

Sarna Otodécica

O veterinário irá recolher uma amostra da cera e submeter a exames laboratoriais para saber exatamente se existe o ácaro da sarna presente no local. O tratamento é tópico, com remédios pra ouvido específicos. Podem ser recomendados banhos antiácaros também.

Sarna Demodécica

É feito pelo veterinário através de uma amostra, assim como na escabiose. O tratamento é bastante longo, geralmente com medicamentos tópicos e banhos especiais de tratamento. Quando o caso é muito grave, podem ser necessárias injeções. A sarna negra costuma atingir principalmente cães filhotes, com menos de seis meses de vida, ou cães que passaram de cinco anos de idade (justamente por esses dois grupos terem a imunidade mais sensível). Manter a imunidade do cachorro sempre alta, com uma boa alimentação, é fundamental pra evitar o aparecimento da sarna negra.

Em geral, administração oral ou injetável de produtos a base de ivermectina e sabonetes sarnicidas ou a base de enxofre, são muito usados. Em alguns casos, há necessidade de suplementação vitamínica com a administração de polivitamínicos de uso veterinário. É importante que o tratamento seja levado á risca, para que logo o cãozinho possa estar curado.

Então, como podemos ver, apesar de ser uma doença chata e grudenta, com paciência e cuidado ela pode ser vencida. O importante é lembrar que como nossos bichinhos não falam – e por isso não podem reclamar – devemos estar sempre super atentos a eles. Ao perceber que seu amigão está se coçando mais do que o normal, apresentar perda de pelos, feridas ou lesões, leve-o imediatamente a um veterinário de sua confiança. Lembre-se sempre de que manter a boa saúde do cachorro pode prevenir a maioria dos casos.