Como escolher o melhor tênis para corrida?

Veja quais as melhores opções de tênis de corrida ideais para você

Logo que você começa a se dedicar à uma corrida de rua, uma dúvida pode pintar na sua cabeça: “Como escolher meu tênis de corrida?”. Hoje, existem tantas opções no mercado que fica difícil saber o melhor modelo. Afinal, cada pessoa precisa de um tênis específico. Na hora da compra, é ter em mente que, mais do que marca e cor, controle das sobrecargas, calce bem e esteja de acordo com seus objetivos.

O tênis desenvolvido para corrida tem, basicamente, duas funções: proteger os pés do esforço das passadas e permitir que o corredor desenvolva o máximo do seu potencial. Esse tipo de calçado é projetado para dispersar o impacto que o atleta recebe constantemente quando os pés tocam o solo durante a atividade.

A força do impacto gerada por esses choques (atrito entre o pé e o chão) chegam a ser até três vezes o peso do corredor. Por isso, o sistema de amortecimento deve ser muito eficiente, para evitar problemas nas articulações, uma vez que o seu corpo ainda não está preparado para receber a sobrecarga. Outro fator indispensável é a flexibilidade na parte frontal do solado, o que melhora a aderência, aumenta a sensibilidade e garante o conforto durante a corrida.

Além disso, você ainda precisa se preocupar com o seu tipo de pisada para comprar o tênis de corrida certo. São os três tipos, cada um deles com sua própria característica.

Pé normal (neutro): possui um arco de tamanho normal. Quando toca o solo, deixa impressa certa concavidade que liga o calcanhar e a parte dianteira dos pés. Caracteriza-se pelo apoio uniforme do pé ao contato com o solo, não possuindo desvios nem para dentro, nem para fora.

Pé supinador: possui um arco bastante acentuado, imprimindo no solo uma região estreita, que liga o calcanhar à parte da frente do pé. Forçam a parte externa do pé a suportar o peso do corpo no final da cada passada. Às vezes, o arco é tão acentuado que a impressão fica sem ligação entre as duas partes. Geralmente, os corredores com essa pisada também apresentam joelhos curvos para fora. Esse tipo de pé possui pouca ou nenhuma flexibilidade porque não prona o suficiente. Por isso, tem baixa eficiência natural de absorção de impactos. E os tênis de corrida mais indicados são os mais flexíveis e os que têm alto grau de amortecimento, pois induzem o pé ao movimento da pronação.

Pé pronador (pé chato): possui um pequeno arco, imprimindo no solo praticamente toda a sola do pé. Caracteriza-se pelo apoio da região medial do pé ao contato com o chão. Apresenta um excesso de flexibilidade, causando instabilidade ao corredor. Geralmente, os corredores com essa pisada possuem joelhos curvos para dentro e podem sentir dores na parte medial do joelho. Quem tem pé chato precisa evitar calçado com alto grau de amortecimento, que reduzem ainda mais a estabilidade e o controle dos movimentos.

O local de treinamento também influencia na escolha do tênis. Se você treina em estrada de terra irregular e com lama, deveria preferir tênis da categoria “trilha”. Se corre em pisos duros, como concreto, procure calçados com maior amortecimento.

Uma causa comum de lesões é correr com tênis gastos que já deveriam ter sido aposentados. Alguns sinais, como desgaste da sola, são bem claros. Entretanto, mesmo um tênis parecendo novo, já pode ter perdido grande parte da capacidade de amortecimento.

Há tênis com maior e menor durabilidade, mas, em geral, recomenda-se trocar entre 560 a 880 km de uso. Se você está voltando de uma fratura por estresse, deve aposentar o tênis entre 560 a 640 km. Corredores mais pesados também podem ter que trocar o tênis mais cedo.

Corra com segurança.